sexta-feira, 31 de julho de 2009

General Américo Pinto da Cunha Lopes

Com a sua passagem à situação de reserva, não terão mais, os jovens militares, a oportunidade de ouvir os sentidos e profundos discursos de um militar de eleição. Nós rapazes da 2042ª Cmds, continuaremos a ter esse privilégio e que seja por muito tempo! Por isso Dizemos: Obrigado, e volte sempre meu Capitão…


No dia 22 de Maio, na sala Dª Maria do Museu Militar, em Lisboa, o CEME, General José Luís Pinto Ramalho, condecorou o tenente-General Américo da Cunha Lopes, por ocasião da sua passagem à situação de Reserva, verificada a 18 de Março, com a grande Cruz de Mérito Militar.

A GNR vai manter quatro oficiais portugueses no Iraque depois da retirada do contingente, que deve começar no próximo dia 12 de Fevereiro. Os quatro militares vão permanecer pelo menos até Abril. O anúncio foi feito esta quarta-feira em Talil, Iraque, pelo Segundo Comandante Geral da GNR, General Cunha Lopes. Desta forma Portugal mantém a sua representação na força multinacional.

Assim, vão continuar junto das forças da coligação dois oficiais em Bassorá no Comando da Divisão Inglesa e outros dois em Talil. Na base próxima de Nassíria, vão manter-se o Capitão Goulão, cujo trabalho tem estado ligado à célula de informações militares e o Major Óscar Rocha, que comanda actualmente a célula de relações entre civis e militares. No essencial, o trabalho deste oficial é coordenar acções de ajuda humanitária e de construção e/ou reconstrução de edifícios de suporte público.

Além do anúncio, Cunha Lopes passou uma mensagem de incentivo aos militares do 4º contingente do Sub Agrupamento Alfa. Substituiu o papel que tinha preparado pelo improviso e «deixou falar a alma e o coração». Além do abraço «dos 26 mil homens e mulheres da Guarda», trouxe ainda saudações de todos os portugueses, de norte a sul do país. O General lembrou aos militares destacados que «Portugal está solidário com o esforço daqueles que hoje fazem mais sacrifícios e estão em maior risco».

Visivelmente emocionado, o oficial lembrou que «ser soldado não é deslumbrar multidões com os dourados da farda. Ser soldado é levantar parapeitos e cavar trincheiras. O soldado o que tem de seu trá-lo às costas nas mochilas. Vocês são estes soldados. De coragem e valor. Porque fazem tudo, desde as coisas mais simples às mais difíceis e arriscadas, quando vos pedem para arriscar a vida sem sequer vos perguntarem se há filhos para criar».

Apesar dos rasgados elogios de «coragem» e «valor, qualidade que leva o soldado a expor-se aos perigos quando e onde é necessário», Cunha Lopes lembrou a «necessidade de ainda maior concentração» nos próximos dias de pré eleições.

Terminou agradecendo o exemplo que representam para o nosso país. «É um raro privilégio para um velho soldado passar algumas horas convosco», confessou. Aliás, as palavras que dirigiu aos militares foram deixadas «de soldado para soldado», como gosta de sublinhar. E o mesmo aconteceu no almoço de confraternização que se seguiu.

Cunha Lopes, tal como todo o Comando Geral da Guarda espera encontrar-se com os 127 homens daqui a três semanas, em Portugal.

2 comentários:

F.A.R.F.tel. disse...

Tive o prazer de conhecer o general Américo Pinto da Cunha Lopes enquanto prestei serviço na E.P.I , com saudade que recordo esses tempos.
Um bem haja meu comandante.

Gaspar Gilvaz disse...

Esse Grande Homem foi meu Comandante em dois sitios diferentes-EPI Mafra e Regimento de Infantaria nº 1, guardo do meu Comandante muita saudade!!!!!
e já sabe meu Comandante quando vier ao Algarve teria muito gosto em recebe-lo na minha cidade-Olhão
Gaspar Gilvaz-918245722